Tradição de geração em geração


Três gerações da mesma família já estiveram à frente da pecuária na Fazenda Jaguaretê. Avô, pai, filho e filha vêm formando um plantel comercial de qualidade desde 1962.

 

Filha e neta de médicos de uma geração conservadora, Rosalu nunca deixou de primar pelo conceito básico de respeitar a natureza e suas particularidades. A modernidade deve sempre ser usada em benefício do aumento da produção, sem atravessar o ritmo da natureza.

 

Procurando trabalhar sempre com a raça de melhor rendimento, o simental se firmou dentro da propriedade. Focada na cria para cruzamento industrial com fêmeas nelore e touro simental, há mais de 20 anos produzimos desmamas com peso superior ao padrão e obtendo preços diferenciados nas suas vendas.

 

Ao assumir a administração da fazenda em 1999, era chegado o momento de incrementar o uso de tecnologia na propriedade. Desenvolvida pelo Prof. Moacyr Corsi da ESALQ – Piracicaba, passamos por um longo processo de reforma de pastagens através do processo de integração lavoura pecuária que conseguiu aumentar os índices de ocupação para impressionantes 2,3 UA/ha. (unidades animais por hectare). É realmente incrível o ganho que se obtém através da adubação de pastagens, uma vez que a média brasileira gira em torno de 0,5 UA/ha.

 

Outros incrementos genéticos foram acrescidos nos últimos quatro anos como a utilização do protocolo de ITAF – Inseminação artificial por Tempo Fixo – para aumento dos índices de prenhez.

 

A coroação deste trabalho, entretanto, veio com o desenvolvimento do gado de elite simental. Iniciada há seis anos atrás, a partir da aquisição de fêmeas do plantel BAR 5 canadense, formulamos cruzamentos com touros de origem sul-africana de excepcional performance, que nos permitiu grandes avanços genéticos em pouco tempo.

 

Hoje, já podemos dizer que atingimos algumas de nossas metas: animais simental de frame menor, grandes conversores alimentares, muito precoces no seu acabamento de carcaça, e o melhor de tudo, criados a campo.